Demolidor (3ª Temporada)

Demolidor (3ª Temporada)

A terceira temporada pipocou na Netflix no dia 19 de outubro de 2018, e chegou estabelecendo um novo padrão de qualidade de séries nesse universo de parceria entre Marvel e Netflix. A série parte diretamente dos eventos da sofrível “Defensores”, que juntou o Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro. Defensores abaixou muito as expectativas pra esse universo compartilhado das séries Marvel, mas o demônio de Hell’s Kitchen nos fez voltar a sonhar. Sem mais delongas, vamos a obra. Vou dividir o texto em alguns pontos que considero importantes para uma boa temporada de série:

Roteiro e Ritmo
A maioria das séries da Netflix sofrem um pouco com o número de episódios, principalmente as da Marvel. Eles parecem ter a necessidade de fixar cada temporada em 13 episódios, o que faz o roteiro dar voltas e mais voltas, que muitas vezes o enfraquecem com tramas desnecessárias e os famosos episódios fillers, aqueles que só servem pra encher linguiça e geralmente não impulsionam a trama. Nessa temporada, até nesse episódio de enrolação eles acertaram, fazendo com que apenas metade dele fosse explorando melhor a personagem da Karen Page, e a outra metade, mostrando um dos fatos mais impactantes da temporada, o massacre na igreja.

O plano de Wilson Fisk é complexo, bem desenvolvido e faz total sentido, sim, o Rei do Crime está de volta nessa temporada, e mais foda do que nunca. Eu concordo que essas séries poderiam ter 8 ou nove episódios, mas a história dessa temporada estava tão instigante e bem pensada, que eu me deixei levar pela trama e não senti que ela ficasse arrastada em nenhum momento. Cada episódio conta com a sua porcentagem de ação, desenvolvimento de personagens e da história. Existem mais histórias a serem exploradas, a série abre muitas tramas paralelas que podem incomodar algumas pessoas pelas suas não conclusões. Eu não vi um problema nisso, estava tão imerso na história, que me envolvi nessas tramas paralelas.

Atuação e Desenvolvimento de Personagens
Que temporada maravilhosa no quesito ATUAÇÕES. O destaque vai para Charlie Cox (Matt Murdock, o demônio de Hell’s Kitchen) e Vincent D’Onofrio (Wilson Fisk, o rei do crime). A atuação dos dois elevou o nível da série como nunca vimos em séries de quadrinhos. Todos os outros personagens também são muito bem desenvolvidos, Karen Page (Deborah Ann Woll), Foggy Nelson (Elden Henson) e dois novos personagens introduzidos nessa temporada, o agente especial do FBI Ray Nadeem (Jay Ali),  e  Benjamin Pointdexter (Wilson Bethel), o Mercenário, um dos maiores vilões do Demolidor nos quadrinhos.

Todos eles tiveram os seus momentos, foram bem explorados e me fizeram ficar extremamente interessado em conhecer um pouco mais de suas histórias. Flashbacks podem ser extremamente maçantes e chatos quando não usados da forma correta, mas aqui, acredito que nos trouxeram diversas camadas e facetas para esses personagens, os tornando mais profundos e interessantes.

Direção e Fotografia
Eu tenho um sério problema com a fotografia da série do Demolidor especificamente. Eu entendo perfeitamente a necessidade ser sombria e realista, assim como o universo que o Nolan criou em seu universo do Batman na trilogia The Dark Knight, mas acho essa escuridão muito exagerada na série. Existem momentos que não dá pra ver absolutamente nada, esse problema é menor nessa terceira temporada, mas ele ainda existe. Experimente assistir essa série durante e dia e você vai ver que é praticamente impossível, a não ser que você consiga criar um ambiente super escuro. A fotografia não é ruim, só é muito escura.

Agora a direção, temos mais um recorde de plano sequência digno de cinema. Nessa temporada, a famosa cena do corredor tem uma duração de 11 minutos e ela é incrível.  O trabalho de direção e coreografia é incrível e a cena foi gravada com apenas uma câmera. O processo é primoroso e a qualidade de todas as cenas de luta da série não cai. A cena final da luta entre o Demolidor, o Rei do Crime e o Mercenário também é excelente.

“A maldade de outro homem não faz de você bom”. Matt Murdock

Infelizmente, o cancelamento da série foi anunciado na semana passada e a internet está estarrecida. Uns dizem que é um movimento esperado da Disney para cortar as relações com a Netflix, já que o serviço de streaming da gigante dona da Marvel, Star Wars, Pixar e quase metade do mercado de entretenimento americano, está prestes a sair do forno.

De qualquer forma, se não for anunciada uma nova temporada da série no streaming da Disney, podemos dizer que tivemos o The Dark Knight das séries de TV de super-heróis, e sim, ele é da Marvel.

Compartilhe:

Autor

Felipe Xavier

Felipe Xavier

é um viajante do tempo viciado em musica, sedento por café, ávido por livros e curioso pela sétima arte.