Doutor Estranho (2016)

Doutor Estranho (2016)

Doutor Estranho é o mais novo filme da Marvel baseado em quadrinhos, que introduz as forças místicas em seu universo cinematográfico. Aplicando a sua fórmula, o longa acerta e diverte grande parte do público mais uma vez.

Sinopse (Via AdoroCinema)
Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) leva uma vida bem sucedida como neurocirurgião. Sua vida muda completamente quando sofre um acidente de carro e fica com as mãos debilitadas. Devido a falhas da medicina tradicional, ele parte para um lugar inesperado em busca de cura e esperança, um misterioso enclave chamado Kamar-Taj, localizado em Katmandu. Lá descobre que o local não é apenas um centro medicinal, mas também a linha de frente contra forças malignas místicas que desejam destruir nossa realidade. Ele passa a treinar e adquire poderes mágicos, mas precisa decidir se vai voltar para sua vida comum ou defender o mundo.

Doutor Estranho tem mais uma missão difícil, apresentar mais um personagem desconhecido do grande público e se conectar com todos os outros filmes de seu universo. Toda a coesão e leveza são os pontos fortes da Marvel Studios mas, podem acabar se tornando sua maior fraqueza.

O visual do filme é sensacional, vários conceitos visuais estilo Matrix e A Origem nos fazem viajar em uma psicodelia colorida e extremamente conceitual. Nunca li Doutor Estranho mas, pelo pouco que vi acredito que visualmente o filme foi incrivelmente fiel. A escalação de atores para o filme também está incrível com Benedict Cumberbatch no papel principal e Rachel Mcadams como interesse amoroso mas não tão amoroso assim.

O filme começa parecido como o primeiro Homem de Ferro onde nós vemos um personagem extremamente inteligente e também arrogante, e que você sabe que durante a jornada do herói, isso vai mudar. Eu diria que é um filme que traz um drama um pouco mais profundo mas que não é aprofundado. Durante o filme nos deparamos com vários momentos em que poderíamos ver um roteiro mais sério e bem desenvolvido, no entanto, isso é quebrado pelo incessante volume de piadas. Quando começamos a ver algo que realmente nos faz ficar preocupados, BAM, eles quebram o ritmo com uma piada.

A Marvel não está nem um pouco interessada em trazer filmes cerebrais ou que desafiam a indústria cinematográfica. Por esse motivo fazem filmes extremamente divertidos mas que se arriscam pouco em roteiro ou desenvolvimento de personagens. Muito se discute sobre a Marvel ser cheia de piadas e que nunca vamos ver um filme sombrio deles. Concordo plenamente com eles e isso preocupa um pouco, já que o mercado de filmes de super-heróis já está saturado.

De qualquer forma, continuaremos indo aos cinemas porque somos apaixonados por esse mundo de fantasia e podemos recorrer a outros personagens e estúdios para ter esse tipo de profundidade e risco que tanto se fala que a Marvel não tem.

 

 

Compartilhe:

Autor

Felipe Xavier

Felipe Xavier

espera nunca ver o Benedict Cumberbatch em uma obra ruim!