É o Fim (2013)

É o Fim (2013)

Imagine um filme onde os atores interpretam a si próprios durante um evento apocalíptico. Essa é a premissa de “É o Fim”, dirigido por Seth Rogen e protagonizado pelo próprio. Com uma premissa dessas, é claro que o filme não pode ser levado a sério. Porém, se assistido com esse espírito, mesmo com alguns problemas, consegue divertir o espectador.

Durante uma festa na casa de James Franco, terremotos começam a acontecer no mundo, liberando um grande mal sobre a terra, fazendo com que Seth Rogen, Jonah Hill, Jay Baruchel e Craig Robinson fiquem presos na casa de Franco enquanto tentam sobreviver aos perigos que estão do lado de fora. O filme também conta com as participações de Paul Rudd, Michael Cera, Rihanna, David Krumholtz, Mindy Kaling, Aziz Ansari, Danny McBride, Emma Watson, Kevin Hart e Martin Starr.

Um dos grandes problemas do filme é a sua duração. A situação é hilária e os primeiros 45 minutos são ótimos enquanto conhecemos esses “personagens” e somos introduzidos na trama. A coisa é tão surreal que de alguma maneira desperta a nossa curiosidade. É claro que é um filme meio pastelão, mas que por causa da idéia original, consegue se destacar um pouco mais dentro do gênero. Porém, uma obra desse tipo não pode ter mais de 90 minutos e é aí que a coisa começa a ficar cansativa. Por não ter mais para onde ir, o pastelão perde um pouco o tom e baixa o nível.

Se você gosta de filmes de comédia e não se incomoda com palavrões e piadas sexuais, é bem capaz de gostar do filme. Como disse, apesar de ficar cansativo, consegui me divertir um pouco.

Compartilhe:

Autor

Bruno Guedão

Bruno Guedão

não acredita no arrebatamento.