Infância Clandestina (2011)

Infância Clandestina (2011)

Na última década, a literatura e o cinema se empenharam em contar os dramas da humanidade a partir da perspectiva da criança. Talvez isso se deva pela dificuldade de entendimento e perplexidade de todos nós diante dos temas tratados, especialmente enquanto eles ocorriam, ou talvez, seja apenas um truque para nos emocionar mais. Porque funciona.

Infância Clandestina conta a história de Juan (Teo Gutiérrez Romero), um menino de 12 anos  que da mesma forma que seu pai (César Troncoso), sua mãe (Natalia Oreiro) e seu tio e grande amigo Beto (Ernesto Alterio), luta contra a ditadura militar argentina. O filme se passa em 1979 e, ao voltar do exílio no Brasil, Juan passa a usar o nome de Ernesto na escola, onde se apaixona pela primeira vez. Sonhando com um romance ele precisa saber como irá conduzir seus sentimentos e os deveres impostos por sua família. Apesar de um relato político, toda a carga emocional do filme fica por conta das relações familiares e da descoberta do primeiro amor.

O filme é tecnicamente admirável sob diversos aspectos, mas o destaque vai para o diretor e roteirista Benjamin Ávila que soube conduzir tão seguramente a história que é espantoso saber que sua família passou por situações semelhantes às retratadas. A obra não é de modo algum afetada pelo drama pessoal do estreante em longas. Ao contrário, é sutil.

Para amenizar o horror da ditadura, as cenas de confronto e violência são passadas em imagens de graphic novel, dando um tom ainda mais artístico à obra. Além disso, a fotografia do filme é de fazer suspirar. Em especial na cena em que Juan, já sob o pseudônimo de Ernesto, se apaixona pela irmã do amigo enquanto ela faz apresentações de ginástica artística.

O filme, então, torna-se uma sensível história sobre o primeiro amor. Curiosamente, a pureza, antes percebida, cede lugar a uma responsabilidade adulta, dolorida, na condução desse sentimento. Diante das decisões que Juan toma no filme, me senti como o personagem de Jhonny Depp em ”Em busca da Terra do nunca”, quando o verdadeiro Peter vai ao teatro e ele observa em sua feição a infância indo embora.

Confira o trailer:

Ficha Técnica:

Infancia Clandestina (Argentina/Espanha/Brasil, 2011)
Direção: Benjamín Ávila
Roteiro: Benjamín Ávila e Marcelo Muller
Elenco: Teo Gutiérrez Romero, Natalia Oreiro, Ernesto Alterio, César Trancoso, Cristina Banegas, Mayana Neiva, Douglas Simon, Violeta Palukas

Compartilhe:

Autor

Emanuelle Bezerra

Emanuelle Bezerra

adorou a saída encontrada para as cenas de violência.