Mesmo Se Nada Der Certo (2013)

Mesmo Se Nada Der Certo (2013)

“Mesmo se nada der certo”, de John Carney, é daqueles filmes que chegam e vão embora de forma despretensiosa, mas que merecem ser vistos – e ouvidos. Mark Ruffalo é Dan, executivo de uma gravadora que perde o emprego justamente quando não atravessa uma boa fase na vida pessoal. Desiludido, ele sai para beber e acabando encontrando com Gretta, uma compositora interpretada pela linda (e magra) Keira Knightley, que também teve um dia daqueles. Ela acabou de ser abandonada pelo namorado (vivido por Adam Levine, vocalista da banda Maroon 5), que é um cantor de sucesso e com quem ela fazia uma afinada dupla de composição. O encontro de Dan e Gretta, sofrendo por motivos diferentes, mas igualmente angustiados, é o início de uma relação de parceria e cumplicidade, motivada pelo que ambos têm em comum: a paixão pela música.

Desempregado e sem perspectivas, Dan vê talento em Gretta e decide produzir um disco de forma inusitada: com o auxílio de músicos quase amadores, as gravações são realizadas no meio da rua, em diferentes pontos de Nova York, onde o filme se passa. Este é talvez o maior acerto do diretor. Aproveitando a ótima presença de Keira Knightley (que também se mostra uma excelente cantora), John Carney utiliza as músicas para humanizar uma cidade onde a correria do dia a dia não dá espaço para a contemplação. O resultado é dos melhores, sobretudo, pela química perfeita entre os dois protagonistas. Keira está encantadora, como sempre, e Ruffalo parece ter sido escolhido a dedo para o papel – perfeito.

O filme é uma excelente pedida mesmo para quem não é um grande amante de música e conhecedor desse universo artístico. Para quem, no entanto, é um apaixonado pelo tema é simplesmente imperdível. “Mesmo se nada der certo” é leve e agradável. Fala de carreira, amor, família, amizade – e ainda da importante e conturbada relação entre gravadora, produtor e artista. Tudo isso salpicado por música da melhor qualidade, muito bom humor e NY como cenário. A composição é mágica. Impossível dar errado.

Compartilhe:

Autor

Philipe Deschamps

Philipe Deschamps

é jornalista, comentarista de esportes e cinema, e tem uma coluna de cinema no programa Arte Clube da Rádio MEC-RJ.