O Retorno do Doutor Mysterio – Especial de Natal (2016)

O Retorno do Doutor Mysterio – Especial de Natal (2016)

O que falar desse especial de natal? Mais um episódio que não necessariamente é sobre natal, mas está ambientado na festa pagã e cristã. Um episódio feito para mim 🙂 Ok, eu detesto a forma como o Moffat guia, ou não, os plots das temporadas que ele foi Show Runner, mas sempre gostei dos episódios soltos dele. Tanto que um dos meus preferidos, e o do resto dos fãs, é o Blink. E nesse episódio de natal ele mais uma vez me surpreendeu. Como é bom ser presenteado com algo tão sincero e divertido em pleno natal, após 1 ano de abstinência do Doutor.

Temos a presença do novo companion Nardole, que foi apresentado no especial do ano passado com a despedida da River.  Sim, teremos um companion homem, não humano, junto da nova Pearl Mackie. E o cara é muito engraçado, além de tirar sarro com a cara do Doutor várias vezes. Que dinâmica.

Eu não fazia ideia do que se tratava a história e quando começou já fui sendo bombardeado com referências e homenagens lindas. Estamos em Nova Iorque S2, no topo de um prédio com aquele visual noturno da Big Apple e as fumaças. Sensacional. Entramos no quarto do jovem Grant Gordon, um menino apaixonado por quadrinhos e super-heróis. Tem como dar errado?! Não!

Fica claro que ele não curte ir a NY por causa de sua experiência na perda de Amy e Rory, mas ele precisa encontrar algo pelo qual a TARDIS o levou ali. Assim o Doutor acaba, por acidente (como de costume), dando uma pedra alienígena para a criança que realiza sonhos. Uma criança apaixonada pelo Superman com uma pedra que realia sonhos. O que será que acontece?!

Aliás, temos um diálogo genial do Doutor, que parece nun ca ter lido um quadrinho na vida, com o Grant sobre a identidade secreta do Super.

Após esse prólogo, voltamos para 2016 e descobrimos que o Doutor novamente está em Nova Iorque para deter a empresa maligna do Sr. Brock. Lá ele encontra Lucy Fletcher, uma repórter (que coincidência) que é salva pelo herói “O Fantasma“. O Doutor saca logo quem é o herói e vai para a casa dele com Nardole, lá ficamos sabendo que grant e o 12th se viam com frequência durante os anos pois o Doutor queria ter certeza de que ele não estava usando os poderes. Tem uma cena ótima com referência ao Super quando começa a descobrir seus poderes na puberdade.

O episódio é tão construído para ser uma grande homenagem a tudo que já foi feito de super-heróis que temos uma simulação da cena de entrevista de Lois e Superman no filme de 78. É realmente incrível o cuidado e preocupação de Moffat com as referências. Que são descaradas para quem conhece mas totalmente orgânicas para os mais leigos.

CUIDADO! Vou falar de alguns easter eggs:

Siegel e Shuster, criadores do superman, são citados no começo dentro do prédio que tem um enorme globo no topo, em alusão ao planeta diário. Temos a aliteração do protagonista Grant Gordon, como em Lois Lane, Lex Luthor, Bruce Banner, etc. Sem falar nos poderes, personalidade do alter ego e a clássica ação de rasgar a blusa para mostrar o uniforme. O uniforme aliás que se assemelha muito aos usados por Batman e Robin nos fatídicos filmes da década de 90. A repórter se chama Lucy Lambard Fletcher, que pode ser uma possível referência ao sobrenome dos criadores do primeiro desenho animado do superman, Fleischer. As homenagens ao filme de Donner são claras com a entrevista no telhado, o primeiro vôo da repórter e o ruído sônico que o Doutor usa e só Grant pode ouvir, como Luthor faz nos filmes.

O que falar da clássica frase “com grande poder vem a grande responsabilidade” citada pelo Doutor a Grant?! As referências ao aranha não param por aí. Lucy chama o Fantasma de tigrão e o nome Mysterio pode ser uma referência ao vilão mestre de efeitos especiais. Tem o dono do prédio que se chama Brock, outro nêmesis do aranha.

Além disso temos vários posters e referências aos personagens da Marvel e dc no quarto do garoto, sem falar numa possível menção ao Krang das tartarugas com o vilão. Outra cosa que deve ser intencional é a pedra que dá poder ao grant que lembra em muito a jóia do poder que completa a manopla do infinito.

Capaldi realmente está se tornando um excelente Dóctar. Espero que continue por um longo tempo e que consiga ter uma boa sequência de temporadas. Esse especial encheu meu coração de esperança para a décima temporada.

Compartilhe:

Autor

Burita

Burita

não aguentava de saudade do 12th