Once Upon a Time – 1ª Temporada

Once Upon a Time – 1ª Temporada

Criada por Edward Kitsis e Adam Horowitz (de Lost e Tron: Legacy), Once Upon a Time é o conto de fadas que não só as meninas vão gostar de ver.

A história começa um pouco antes do ‘E viveram felizes para sempre’ de Branca de Neve (Ginnifer Goodwin) e Príncipe Encantado (Josh Dallas). Os pombinhos estão para se casar, mas são interrompidos pela Rainha Má (Lana Parilla), que escolheu a data para anunciar que vai lançar uma super maldição no reino. Naquele momento ninguém sabe, mas todos que habitam aquela terra (que curiosamente não tem nome revelado) serão mandados para o mundo real, em uma cidade chamada Storybrooke, onde ninguém é capaz de lembrar sua verdadeira identidade ou qualquer outra coisa de suas vidas no reino.

O grande lance da história é que no meio tempo entre a maldição alcançar o reino e todos serem mandados para nossa dura realidade, Branca de Neve consegue enviar a filha recém nascida, Emma (Jennifer Morrison, que saiu de House e já caiu nessa série), para um lugar no mundo real, e assim, 28 anos depois, ela deve retornar para salvar a todos. O problema é que Emma não faz ideia de nada disso e Branca de Neve está em Storybrooke sem lembrar de nada. Ai entra Henry (Jared S. Gilmore), o filho adotivo da prefeita de Storybrooke (Rainha Má), que vai ajudar a nossa heroína a salvar o mundo encantado.

Cada episódio é centrado na história de um personagem. E o que é bem legal: as histórias dos dois mundos são contadas ao mesmo tempo. Cada detalhe da vida de um personagem no reino encantado revelado acrescenta uma peça ao quebra-cabeça da história no mundo real e sua conexão com os eventos que precedem a maldição e suas consequências.

O que eu gosto muito também em Once Upon a Time é que apesar de termos vilões e mocinhos bem definidos (afinal, estamos em um conto de fadas), ela não força tanto a barra. Já me peguei com pena da Rainha Má. E quem disse que a Branca de Neve é boazinha o tempo todo??

Um dos maiores problemas dessa temporada pra mim, são os efeitos especiais. Algumas coisas estão no nível “vergonha alheia”. Para uma série toda baseada em fantasia isso não devia acontecer. Percebi um esforço para melhorar esse quesito na segunda temporada, mas ainda tem muito trabalho por ali.

Mas não deixe os efeitos especiais toscos te espantarem. A série é legal e consegue tratar as histórias já conhecidas por todo mundo com criatividade. A primeira temporada me empolgou bastante e tem surpresas muito boas. To começando a segunda com boas expectativas, espero não me decepcionar.

Por aqui a série é exibida no canal Sony, aos domingos.

Compartilhe:

Autor

Fernanda Mathias

Fernanda Mathias

já aprendeu que a magia vem com um preço.